Estudo japonês descobre composto que atrasa a evolução do glaucoma

Estudo japonês descobre composto que atrasa a evolução do glaucoma

Testes dos efeitos em humanos deve começar no final deste ano. Perda de células nervosas foi 40 % menor com composto.

Pesquisadores da Universidade de Kyoto, no oeste do Japão, desenvolveram um composto que pode frear a evolução do glaucoma, uma doença caracterizada pela perda de visão devido ao dano progressivo do nervo óptico.

O composto aumenta a quantidade de trifosfato de adenosina (ATP), uma substância essencial para as células nervosas, que se apresenta em menores quantidades nas células danificadas do que nas sãs.

A equipe de cientistas japoneses realizou testes com ratos de pressão ocular alta e afetados por glaucoma, que receberam o composto todos os dias durante dez meses, segundo detalhou o jornal “Asahi“ nesta terça-feira (10).

A perda de células nervosas nos ratos que receberam a mistura se limitou a 20% nesse período. Os que não receberam o composto perderam mais de 60%.

A equipe liderada pela professora Hanako Ikeda, da Escola de Medicina da Universidade de Kyoto, deve começar os testes com humanos no final deste ano, mas começará estudando os possíveis efeitos tóxicos e eficácia do composto em pacientes com transtornos agudos de visão, e não com glaucoma.

O motivo é que o glaucoma é se desenvolve muito lentamente, por isso os efeitos do tratamento não poderiam ser determinados em um estudo clínico a curto prazo, explicou a equipe, que espera iniciar os testes no glaucoma em cinco anos.

Voltar